LANÇAMENTO EM PRÉ-VENDA

Compre agora com 30% de desconto.

Postagem a partir de 07/07/2021.


SOCIOECONOMIA FLUMINENSE

Políticas públicas em tempos de crise     

Carlos Antônio Brandão, Deborah Werner e Fábio Lucas Pimentel de Oliveira (Organizadores)

Sobre o livro:… O projeto foi desenvolvido em reuniões de discussão do Grupo de Pesquisa Espaço e Poder do IPPUR/UFRJ, em cujo âmbito se preparou o conteúdo deste livro. Partiu-se da constatação da necessidade de ampliar a reflexão e examinar as especificidades históricas, geográficas, institucionais, culturais e socioeconômicas do Estado do Rio de Janeiro. Embora se tenha avançado de forma promissora, no período mais recente, nos estudos das particularidades do que denominamos aqui a socioeconomia fluminense, ainda são necessárias mais análises e interlocuções sobre sua estrutura, dinâmica e tendências, procurando vislumbrar e propor possíveis estratégias de desenvolvimento mais durável, sustentado e inclusivo. Em outras palavras, apesar do avanço recente nas pesquisas na área das ciências humanas e das ciências sociais aplicadas no estado, há ainda certa carência de esforços de maior sistematização e construção articulada de análises socioeconômicas e socioespaciais que construam uma perspectiva de conjunto. Certamente o diálogo, sobretudo entre os diversos pesquisadores fluminenses precisa avançar, buscando soluções para os problemas específicos desta unidade da federação brasileira.

Por outro lado, de uma outra perspectiva, pode-se afirmar que a trajetória particular da socioeconomia fluminense também pode contribuir muito no debate das escolhas e caminhos que a socioeconomia brasileira trilhou naquele período sob análise. Foram realizadas, naquela conjuntura, opções por explorar extensiva e fortemente a dotação de commodities, no caso fluminense, sobretudo a extração de petróleo. O ERJ conheceu, ao mesmo tempo novas fronteiras interiorizadas de expansão, inclusive nas franjas de seu espaço metropolitano, seguindo o processo histórico brasileiro, ]caracterizado como de fuga para a frente, itinerante e  territorial, das regulações públicas e dos direitos, com impactos negativos na hinterlândia. Analisou-se, no projeto, como foram abertas renovadas fronteiras de expansão econômica, de infraestrutura física, de frentes de especulação imobiliária e financeira, engendrando e ocupando novos horizontes de acumulação, com impactos ambientais e sociais significativos. Assim, fenômenos socioeconômicos que ser estruturaram na escala estadual foram muitos semelhantes à escala nacional. (…)

Sobre os Organizadores: Os organizadores são Professores do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPPUR/UFRJ). Pesquisadores do Projeto CNPq Universal Infraestrutura, Desenvolvimento e Território e do Grupo de Pesquisa Diretório CNPq Espaço e Poder.  Carlos Antônio Brandão: Doutor, livre-docente e professor titular em Economia Regional e Urbana pela Unicamp. Professor titular em Planejamento Urbano e Regional pela UFRJ. Pesquisador PQ-CNPq. Deborah Werner: Doutora em Planejamento Urbano e Regional pelo IPPUR/UFRJ. Mestre em Desenvolvimento Econômico pela Unicamp. Coordenadora de Pesquisa, Extensão e Divulgação do IPPUR. Fábio Lucas Pimentel de Oliveira: Doutor e Mestre em Desenvolvimento Econômico pela Unicamp.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s