Publicado em: Agencia de Notícias Anarquistas (22/04/2021) / Tradução Bellatrix Anarchy

A jornalista Ariadna García Chas revisita em laSexta Clave a vida e a obra de Montseny, uma anarco-sindicalista que chegou ao Ministério da Saúde em 1936, durante a Guerra Civil. Ela propôs medidas tão revolucionárias, como o primeiro projeto de lei sobre o aborto na Espanha.

Na semana do 90º aniversário da proclamação da Segunda República, o informativo laSexta Clave fixa o olhar em Frederica Montseny. Há 90 anos, seu exemplo mudou a história da Espanha: ela foi uma líder anarquista e uma das principais figuras do movimento operário e, em 1936, durante o governo de Largo Caballero, tornou-se a primeira mulher ministra da Espanha: Ministra da Saúde e Assistência Social. Ela aguentou meio ano dirigindo o portfólio, em plena Guerra Civil.

Montseny cresceu em uma família anarco-sindicalista e isso teve influência na sua personalidade. No entanto, alguns anos antes de morrer, ela confessou em uma entrevista que houve outro acontecimento histórico que marcou essa veia ativista: a grande greve das mulheres de 1918 em Barcelona. Por duas semanas as mulheres paralisaram a cidade: fábricas, lojas e negócios. Tudo para protestar contra o aumento dos preços de produtos básicos após a Primeira Guerra Mundial.

Na época, Montseny tinha 13 anos. Aos 15 já era uma ativista “praticante”, e alguns anos depois ingressou na CNT, tornando-se uma figura muito relevante e visível na organização. Tanto que as crianças a chamavam de “a mulher que fala”. Ela também contou em entrevista realizada em 1991: “Os meninos, quando entramos nas aldeias, começaram a gritar: lá vai ela, lá vai a mulher que fala e o homem que a acompanha! Que foi um companheiro que veio comigo”. Em 1936, durante a Guerra Civil, Largo Caballero a nomeou ministra. Como você passou a ocupar essa carteira como anarquista?

Foi uma decisão difícil. Na verdade, ela não queria aceitar o cargo, a princípio. Seus pais também se opuseram, afirmando que estava virando as costas para seu passado anarquista. Mas um setor da CNT a convenceu, assim que ela mesma afirmou: “Supere todas as resistências íntimas e familiares e aceite dizer o que sempre me disse Mariano Vásquez, que era o secretário da CNT que substituiu Horacio Prieto: ‘Assuma o comando que você está mobilizada’. Em vez de ir para a frente, você vai para o Ministério”.

Foi assim que Montseny se tornou uma das líderes da Espanha por meio ano. E por seis meses ela tentou reformas muito relevantes e revolucionárias do Ministério. Por exemplo, “os liberatórios da prostituição”, que eram abrigos para mulheres que queriam largar a profissão para procurar outro emprego. Ela também tentou desenvolver o primeiro projeto de lei sobre o aborto da história da Espanha. Ela o escreveu, embora o Conselho de Ministros não o tenha aprovado. Na verdade, ela mesma admitiu não ser a favor, mas entendeu que se tratava de um “mal menor”.

“Largo Caballero, entre outros ministros, foi adverso à prática do aborto. Eu também fui adversa, mas aceitamos o aborto como um mal menor, nos casos em que levar a gravidez a termo representava um problema social, médico ou pessoal para a mulher que foi vítima dessa situação, de fato”, argumentou Montseny naquela entrevista de 1991. Deve-se notar que durante a guerra, ela optou pela evacuação de milhares de crianças da Espanha para a França, México ou União Soviética. Fazia parte do seu trabalho, mas também foi um grande arrependimento.

Ela o fez junto a outros líderes com a intenção de salvar as crianças da guerra, mas com a perspectiva dos anos percebeu que havia mandado muitas delas para a orfandade, e de muitas nunca mais se soube nada. Quando Franco e os conspiradores do golpe vencem na Guerra Civil, Montseny acaba no exílio, como centenas de milhares de republicanos. Ela cruzou a fronteira com a França acompanhada de sua mãe, que estava doente e foi transportada em uma maca, embora finalmente tenha morrido alguns dias após sua chegada. Alguns anos depois, quando os nazistas entraram na França, ela foi presa por ordem do regime de Franco.

Fonte: https://www.lasexta.com/programas/lasexta-clave/anarquista-pionera-revolucionaria-radiografia-federica-montseny-primera-ministra-historia-espana_202104156078a906339d990001594ae1.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s